Resenha: A ladeira da saudade

Título: A ladeira da saudade
Autor: Ganymédes José
Editora: Moderna


Sinopse


O livro fala sobre o amor de uma adolescente do século XX, em Ouro Preto, no Brasil, e sobre os preconceitos raciais.A jovem chamada Marilia, mas que é conhecida como Lilia, mora na cidade grande junto com seu pai que ela ama e sua mãe que não a entende como ela gostaria. Ela termina o namoro com um rapaz bem sucedido para desespero de sua mãe, elas se desentendem e ela vai passar uns dias na casa de uma tia em Ouro Preto para refrescar a cabeça.
Em Ouro Preto a garota descobre, fascinada, uma cidade mágica. Conhece as 'Tetetês', 3 garotas cujos nomes começam com T. Elas participam de um grupo de teatro de bonecos, liderado por Dirceu. Lília e Dirceu se envolvem e começam um namoro, em meio às descrições históricas da cidade e do amor do poeta árcade Gonzaga e sua amada Dorotéia. Em 'Ladeira da saudade', o despertar de um amor verdadeiro no coração de uma adolescente que revive, no século 20, em Ouro Preto, um amor atormentado do Brasil do século 18. Um amor de entrega, que vence a barreira do preconceito racial.




Minhas impressões


        A sinopse desse livro é uma das poucas que realmente consegue traduzir o enredo da obra.  O autor trabalha com amores juvenis de forma simples e pura, com isso esse consegue enriquecer o texto com a história de Ouro Preto e compartilhar todos esses apetrechos que compõe um enredo engrandecedor de forma modéstia e com uma linguagem compreensível para qualquer leitor.
        Lília é uma adolescente de 16 anos que vive constantemente em conflito com sua mãe, já com o pai tem um relacionamento paternal regado de carinho e amor. Sua mãe querendo seu bem acaba sendo dominadora e superficial, o que incomoda demais a filha. A mesma reside em São Paulo e com a visita da tia Ninota, uma senhora muito simpática, essa propõe que a jovem vá passar algumas semanas com ela em Minas Gerais, na cidade de Ouro Preto, onde mora. Ao chegar à cidade, com mais liberdade, confiança e amigos a mesma consegue vê o mundo através de novos olhares, apreciando a beleza da simplicidade e desfrutando uma felicidade constante.
        O objetivo do autor, com toda a certeza, foi descrever com minucias a primeira cidade do Brasil a ser considerada patrimônio cultural pela Unesco. Com uma linguagem descomplicada o autor Ganymédes descreve a arquitetura barroca, a história do século XVIII, a escravidão, o preconceito e claro, o mesmo não poderia deixar de mencionar a vida e obra de Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho. Também somos transportados pela inconfidência mineira, Tiradentes, a corte portuguesa, a origem do nome da cidade e outras informações tão importantes e valiosas.
        Todos esses pormenores são contados através de uma narrativa propícia, contraditoriamente do que se possa imaginar o autor consegue desenvolver uma escrita brilhante com argumentos claros e suaves. Lília é uma menina muito simpática e o seu amor por Dirceu é límpido, não existe nem um resquício de reencarnação, simplesmente parece que o amor turbulento vividos e registrados pela memória do local no século XVIII é revivido em pleno século XX, sem nenhum tipo de empecilho para impedir essa afeição.
        Tal exemplar foi considerado um dos meus favoritos, o autor conseguiu me conquistar com a cultura histórica. A descrição das igrejas, museus, da arquitetura, da poesia e de toda a sabedoria e essência gerados por esse local tão precioso, e ainda com uma estória de amor para incrementar mais ainda um livro tão promissor, estabelecendo um paradoxo entre a realidade e a ficção. Submergindo o ledor para um mundo maravilhoso com preciosidades reais e sem amarras para a imaginação.      
     

Comente com o Facebook:

10 comentários:

  1. Eu não gosto muito de enredos adolescentes, mas a ambientação histórica me parece bem interessante. É a primeira vez que vejo esse livro e adorei saber um pouquinho mais sobre aqui.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  2. Ola
    Lembro desse livro, da época da escola.
    Foi bom rever essa história, com sua resenha.
    Gostei bastante da sua resenha :)
    Bj

    ResponderExcluir
  3. Olá, ainda não conhecia esse livro mas só pelo que você disse na resenha eu já leria ele, gostei de saber que fala de amores puros e ainda mais por trazer uma cidade mineira como cenário, sou de Minas e amo histórias ambientadas no meu estado, parece que dá uma leveza a mais na história, hehe.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não conhecia esse livro mas só pela sua resenha já leria ele, gosto de histórias que tragam leveza e amores puros, ainda me se a trama se passa numa cidade mineira, sou de Minas e acho que tramas ambientadas aqui trazem um charme a mais para a história.

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Mais uma dica ótima!
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas gostei dessa indicação. Um livro bem diferente do que eu estou acostumada para ler, mas que me interessou bastante.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Adorei a premissa que entrelaça os personagens à história de Ouro Preto. Parece ser bem interessante a leitura pela experiência que você relatou. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda não conhecia o livro mas o assunto é fascinante e fiquei muito curiosa para poder ler e ver os detalhes que a obra descreve. Adorei a sua resenha, como sempre, muito bem escrita.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Adoro livros que retratam o Brasil. Ainda mais MG que é um estado riquíssimo. O que talvez possa me incomodar é a idade os personagens, mas tentarei relevar. Dica anotada (;
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Ai, que título amável!! O enredo apresentado também parece ser ótimo. Amo histórias desse gênero, sinto que o autor (a) está conversando comigo. Depois dessa resenha estou super empolgada. Aliás, já está na minha lista de desejados!!

    ResponderExcluir
  10. Acredito que não tem nenhuma outra cidade no mundo que eu ame tanto como Ouro Preto, acho que ela tem uma atmosfera mágica. Mas não sou fã desse fundo histórico que a obra possui, acho que só por isso não leria.

    ResponderExcluir

Google+ Followers