Resenha: A garota do calendário - Janeiro


Título: A garota do calendário - JaneiroAutora: Audrey CarlanEditora: Verus Editora
Sinopse

Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street JournalMia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...Em janeiro, Mia vai conhecer Wes, um roteirista de Malibu que vai deixá-la em êxtase. Com seus olhos verdes e físico de surfista, Wes promete a ela noites de sexo inesquecível — desde que ela não se apaixone por ele.



Resenha do segundo livro A garota do calendário:Fevereiro -  CLIQUE AQUI

Resenha do terceiro livro A garota do calendário:Março - CLIQUE AQUI

Minha Opinião


                Esse livro algum tempo atrás teve um bom trabalho de divulgação. A editora e seus parceiros souberam promover o mesmo, em todos os blogs literários ou em páginas de assuntos correlacionados lá estava à propaganda da série.
        Quem acompanha as minhas resenhas ou já leu algo esporadicamente nesse blog sabe que geralmente compro livros por impulso, e na grande maioria esse estímulo é movido por preços. E, por esse motivo comprei os quatro primeiros volumes dessa série, entretanto confesso que imaginei que não iria ler nem tão cedo e a razão era bem óbvia: parecia-me uma apologia romantizada da prostituição.
        Não sou uma pessoa com preconceitos ou estereótipos, mas era impossível não imaginar esse conceito sobre um determinado enredo, afinal a protagonista a cada mês fica cerca de 24 dias com um “cliente”. Lógico que ela não precisa ter relações sexuais com esse, porém caso opte por isso recebe um acréscimo de 20% no valor final da sua comissão. O que levou Mia para tal situação foi o pai que de forma irracional adquiriu uma dívida de 1 milhão com seu ex-namorado e agiota, por isso desde começo percebemos que a mocinha tem um “dedo podre para homens”.
        Voltando ao assunto do parágrafo anterior, o enredo fantasia a exploração sexual, ainda afirmo que toda essa erotização inconscientemente traz uma beleza em forma de estigma com aceitação da submissão e exploração da mulher. Não digo que essa foi à intenção da autora, entretanto sabemos o quanto as mulheres vêm tentando serem respeitadas na sociedade que ainda possui intolerâncias gritantes. Podemos comparar tal perspectiva com alguns clássicos da indústria cinematográfica, por exemplo, o filme infantil a Bela e a Fera é amoroso, poético e todas as meninas sonham em encontrar seu príncipe, e caso esse seja um sapo você pode muda-lo. Não estou dizendo que não possa assistir ou no nosso caso ler, mas o filme conta a estória de um homem que sequestra uma linda menina e a trata de forma abusiva e mesmo assim com seu recanto e beleza ela consegue transforma-lo em uma pessoa melhor.
        O que pretendo ressaltar é que através da análise, como de práxis em muitos aspectos culturais, a mulher não deixou de ser um objeto para o prazer do homem, ainda existe um cenário totalmente controlado pelo machismo e dessa forma o livro não contraria esse paradoxo social e cultural.
        Todo esse texto foi para ressaltar que o livro me surpreendeu, pois mesmo com todos esses contras a autora não ficou dando voltas na narrativa, a obra é curta e com uma linguagem simples e direta. O mocinho como todo clichê é lindo, apaixonado e obviamente rico. As cenas de erotismo tem a medida certa e embora seja um new adult a escritora não vulgarizou na escrita ou usou palavras de baixo calão.
Enfim, é um livro com o vocabulário fácil, descomplicado e sem rodeios. Entretanto não posso deixar de ressaltar que não é normal uma mulher ser explorada sexualmente e que todas essas flores estampadas pela Audrey Carlan não é a realidade da prática,  se fosse à coisa mais fácil do mundo fazer sexo com o desconhecido, e esse tivesse todas as características de Wes, o sonho de todo os humanos seriam ser garotas (os) de programas.  Por isso, não deixe que a "utopia" te iluda.
       

        

Comente com o Facebook:

12 comentários:

  1. Olá, eu estou acompanhando essa série (infelizmente, ainda estou no 3 mas a black friday está chegando para eu completar minha coleção) e estou viciada na leitura. Eu gosto muito do gênero mas tenho visto que quem não está acostumado com livros eróticos não está gostando e que boa parte de quem está acostumada, também não se deixou levar. Ainda assim, a série alcançou um enorme número de fãs e é um sucesso, estou dentre os leitores que se viciaram e sou do time #WesForever.

    Achei muito válida a sua opinião e a reflexão que você fez sobre o tema central da série, eu até concordo com você mas se pararmos para analisar, existem mocinhas que saem para baladas todos os dias e sempre com um cara diferente, ok, não recebem nada por isso, mas o que eu tenho visto o pessoal falando muito é o fato de serem 12 clientes. Se for parar para ver as garotas baladeiras, em um ano 12 homens não são nem perto do número total. Mas, volto a afirmar que elas não recebem para isso, bem, pode ser que algumas sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Olá
    Eu concordo com meia resenha! Eu só li esse livro de toda a série, mas pretendo acabar ela, pois são livrinhos curtos e bem legais para passar o tempo. Devo concordar também que realmente não é tão esse mar de rosas que a autora quer passar, mas também temos que entender o lado da protagonista e o que ela está passado. Outra cosia legal foi a edição brasileira,,pois eu acho estranha as capas estrangeiras. Até mais ver
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oiee ^^
    Eu também me surpreendi com a Audrey, porque eu achei que fosse odiar esse livro. Até que gostei, gostei do bom humor da Mia e de vê-la tentando cuidar da família. Não morri de amores pelo Wes como vi muita gente fazer, mas ele é "bacaninha", um clichê dos romances eróticos (os que não têm caras obsessivos/possessivos/machistas até não quererem mais). Enfim kkk' eu gostei, quero ler os outros agora :)
    MilkMilks ♥
    Milkshake de Palavras

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    Concordo com o que você falou, porém acredito que o público alvo desse livro já seja grandinho o suficiente para saber que a história não passa de ficção. Estou completamente viciada nessa série, a leitura é fluída e os personagens são cativantes, não vejo a hora de dar continuidade aos outros livros da série que ainda falto ler.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu pretendo ler esses livros quando tiver a série completa na minha estante, não estou com aquela ansiedade toda pra ler, mas estou bem curiosa rs.
    Vc levantou uma questão bem interessante e preocupante pois se de certa forma é apologia ao sexo por dinheiro, imagina? A maioria que tem lido esses livros são jovens, muito jovens mesmo, alguns ainda em fase de formação. Fico preocupada com isso, banalizar o sexo não e legal.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Olá.
    Não sabia que a protagonista fica 24 dias com seus clientes. Achei essa informação bem interessante hahahaha. Eu não curto muito livros do gênero, mas essa série tem uma premissa muito interessante e estou cogitando ler hahahha.
    Mas fiquei feliz com sua resenha, saber que o livro é sem rodeios e de vocabulario facil, me deixa animada.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Já li até março e, tenho dizer que me surpreendi. Não tinha muitas expectativas com relação a obra e a primeira foi um pouco decepcionante. Veja, entendo essa exploração da mulher e o empoderamento que ela dá para a Mia, mostrando que ela pode fazer o que quiser, mas o fato de ela pensar: Não serei uma puta e dormirei com meu cliente e, na página seguinte, fazer o oposto, foi algo que me incomodou.
    Entretanto, apesar dessa ressalva, pretendo continuar a série, pois tenho encontrado uma personagem muito mais madura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu gostei muito desse livro, tanto que li em apenas uma tarde. Fiquei bem curiosa para conferir as continuações e é claro que já estou torcendo pelo romance dela com o Wes, que me conquistou muito. Estou adorando a história e mal posso esperar para ler os próximos volumes.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Ainda não li essa obra e tenho receio de ler por toda essa sexualização, além disso, essa passa longe dos gêneros que me interessa. Ainda sim quero ter uma experiência com pelo menos o primeiro da série para ter uma opinião própria baseada no que li.

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Eu morro de vontade de ler essa série, fico feliz em ver que você gostou, a Mia parece ser uma ótima personagem, bom para acompanhar. Estou mega curiosa, até porque acho que sou uma das únicas pessoas que não leu o livro ainda! ahhaah ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir

Google+ Followers