# 5 - Coluna de Ideias: Afeição do sentido



            Estou lendo o livro A teoria de tudo da Jane Hawking e embora não tenha avançado muito na leitura, decorrente da falta de tempo, a curiosidade foi tão grande que fui assisti o filme online.
            Não farei crítica em relação à obra cinematográfica, pois não é minha área, mas ao assistir fiquei pensando em conceitos errôneos que idealizamos ao longo da vida. A razão, talvez, seja por perseguirmos fielmente a felicidade e achar que essa corrida nos levará ao sublime e seremos impactados por esse sentimento tão maravilhoso e invejado.
            O pouco que li já vi que a obra é muito mais detalhista do que o filme e não é tão fiel assim, entretanto isso é compreensível já que as palavras permitem que o autor retrate minuciosamente todo o contexto que se é passado a estória*. Enfim, o objetivo não é me prender na biografia, porém compreender o motivo que se busca incansavelmente a razão da vida ser atrativa.  
            O que leva pessoas acharem que podem fazer outras felizes, nem que seja por um curto período da vida? Talvez a incerteza do futuro e as ações do presente nos levem a agir de forma impulsiva. O medo de achar que a solidão e o isolamento são sinônimos da infelicidade. Angustia das pressões sociais que interligam a vida em sociedade e os padrões de perfeição com a satisfação do jubilo. O contentamento da empatia ser visto com euforia. Dentre tantos pontos, não sei a razão, o porquê, o motivo, a ideologia ou qualquer outro vocábulo que se encaixe com êxito na substituição dessas grafias.
            A única coisa que posso afirmar é: a felicidade não está no outro, a felicidade é você que faz. Ela não é duradoura, mas o que é? Tudo passa, tudo se transforma, tudo muda. Por isso, não procure encontrar razões para seu bem-estar em locais onde a alegria é uma incógnita. O amor não é barganha e nem moeda de troca. O amor é a construção de um futuro cheio de interrogações, com a certeza de um presente alicerçado em colunas fortes e profundas, com respostas plausíveis, baseados em um pretérito cheio de esperança que impulsiona um horizonte de possibilidades.
            A experiência ensina que somos pequenos em um oceano de emoções e aprendizados, mas que precisamos aprender com os erros e não achar que a felicidade para ser alcançada precisa ser lapidada por outros sujeitos. Somos senhores de nossas vidas e para alcançarmos as glórias do regozijo precisamos nos amar e encontrar o “feliz” em nós.
           

 Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade. (Carlos Drummond de Andrade)













 Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho. (Thich Nhat Hanh)






Quantas vezes a gente, em busca da ventura, Procede tal e qual o avozinho infeliz: Em vão, por toda parte, os óculos procura Tendo-os na ponta do nariz!(Mário Quintana)


*referente a fantasias/ficção 

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Olá, que texto mais lindo, sobre "a teoria de tudo", eu apenas assisti o filme e não sei se pretendo ler o livro, mas talvez num futuro.
    A felicidade é algo totalmente super estimado não é mesmo? pra mim felicidade é coisa de momento, algo que acontece aqui e ali e nos fez feliz, não temos esse poder de permanecer feliz o tempo todo, mas algumas pessoas buscam isso como ideal

    ResponderExcluir
  2. Oi Verônica, sua linda, tudo bem?
    Adorei sua reflexão. Concordo com você, já pensei sobre isso antes. A felicidade é um estado de espírito, já li isso em algum lugar, e acredito nisso. Ninguém é feliz o tempo todo. São pequenas coisas, pequenos momentos que nos deixam felizes e depois passa, acaba. Da mesma forma que não é eterno, também não tem fim, pois podemos sempre ser felizes. Adorei a citação do Quintana.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiii, como vai?
    Que texto mais lindo gente <3 fiquei louquinha aqui e confesso que me deixou até emocionada, gostei da forma que falastes sobre os sentimentos e a felicidade é algo difícil de se encontrar e foge tão fácil da gente, não é mesmo?
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Oie...
    Ainda não tive a oportunidade de ler o livro e para falar a verdade nem o filme eu consegui assistir, mas seu texto está simplesmente demais! Que reflexão linda e verdadeira, sobretudo. A pessoa tem que ser feliz por ela mesma e não por causa dos outros. A felicidade está aqui dentro e não em outra pessoa.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  5. Olá
    que lindo texto, eu adoro esses textos de reflexões, sempre me dão uns belas tapas na cara, muito legal

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi,
    O seu texto é perfeito, a reflexão mostra a pura realidade. Concordo que a pessoa tem que ser feliz por ela, não querendo agradar b ou c. Temos que conquistar a nossa felicidade e nos amar em primeiro lugar.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Adorei a sua reflexão. Não li ainda A Teoria de Tudo, nem assistir o filme, porém fiquei curiosa depois de ler seu post. Concordo com o que você disse sobre a felicidade.
    Um beijo,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir

Google+ Followers